Dinheiro na mão é vendaval...

Veja aqui uma lista com 10 despesas fixas (ou quase) comuns na classe média que podem facilmente ultrapassar um salário mínimo cada.

Quanta diferença faz a metragem de um apartamento?

Três quartos e uma suíte é uma das configurações mais comuns nos lançamentos imobiliários - comparamos as plantas de 61 até 132m² para esse perfil.

Animes inteligentes: como explicar isso para leigos?

Explicando o esquema de alguns dos melhores animes do momento em um artigo original. Gênios do mal com boas intenções, extermínios em geral, filosofia e muitas discussões ideológicas...

Nulificação, o lado macábro da BodyMod

Um dos primeiros artigos do blog, original: virou referência sobre o tema na internet e foi plagiado por diversos blogs... Saiba mais sobre a macábra prática de subtrair partes do próprio corpo para modificá-lo.

Bichos do Mato!

Conheça os animais que habitam o mato brazuca! Tipo o cachorro do mato, o gato do mato, o gambá, etc...



Gatos do Mato


Gato do Mato Pequeno

O gato-do-mato ou gato-do-mato-pequeno (Leopardus tigrinus) é um felino originário da América Central e América do Sul. É também conhecido também pelos nomes de gato-do-mato-pintado, gato-selvagem e gato-tigre

Vivem da Costa Rica à Argentina, se alimentando de ratos, pássaros e insetos, e medem cerca de 50 centímetros.


Sua gestação dura 70 dias, a prole consistindo de um a dois filhotes.

Embora semelhante à jaguatirica, com a qual é confundido, o gato-do-mato se distingue pelo pequeno tamanho; é o menor dos felinos silvestres brasileiros, e pelas manchas em sua pelagem, rosetas parecidas com as da onça, porém sem o desenho completo, mantendo geralmente um lado aberto, enquanto a jaguatirica tem manchas alongadas, que dão à sua pele a impressão de ser listrada.

Existem ocorrências de gatos-do-mato inteiramente negros, melânicos, e o curioso é que uma gata de pelagem normal, pintada, pode ter filhotes negros, que por sua vez tem descendência de pelagem normal, num processo que os cientistas ainda não entendem bem, mas que acontece também com a onça-pintada e a pantera, que também podem nascer negras (pantera-negra).

Gato do Mato Grande


O Gato-do-mato-grande (Leopardus geoffroyi) é um mamífero da família dos felídeos, encontrado na América do Sul meridional, geralmente em áreas mais abertas que os demais gatos-do-mato. A espécie possui pelagem cinza-amarelada, com manchas escuras pequenas e numerosas, e cauda com anéis escuros.

Gato Maracajá

O gato-maracajá (Leopardus wiedii) é um felino nativo de América Central e América do Sul. Tem como característica uma cauda mais longa do que seus membros posteriores. Os pêlos são amarelo-escuros nas partes superiores e na parte externa dos membros. Tem manchas sob a forma de rosetas com uma região central amarela, por todo o corpo, da cabeça à cauda.


Dentro de suas habilidades, o gato-maracajá pode caminhar nas pontas dos galhos dos arbustos. Ele também possui grande capacidade de salto e suas garras são proporcionalmente mais longas do que as da jaguatirica. O período de gestação é de 81 a 84 dias, e a expectativa de vida é de cerca de 13 anos. Tem capacidade de virar em 180 graus as articulações do tornozelo, o que o possibilita transitar com facilidade entre troncos e árvores. Seus hábitos são noturnos e alimenta-se de pequenos roedores e aves, que caça nas árvores.

No Brasil, o gato-maracajá pode ser encontrado com mais freqüência na Floresta Amazônica.

Gato dos Pampas


O Gato-dos-pampas (Leopardus colocolo) é um mamífero da família dos felídeos, encontrado do Peru à Argentina, especialmente em áreas abertas, providas de capins altos. Possui pelagem longa, principalmente na linha dorsal e pode eriçar-se durante certas reações do animal, parda, com bandas transversais amarelas ou marrons, que se estendem do dorso aos flancos, e cauda de pelagem espessa, com anéis escuros. Também conhecido pelo nome de gato-palheiro. De hábitos noturnos fazem ninhos ao na copa de pinheiros araucaria. O número de filhotes por cria geralmente, é de dois a três. Alimenta-se de aves e ratos É encontrado também no Brasil

Jaguatirica (aka Marina Silva)

Jaguatirica, ocelote ou gato-do-mato é um felino cujo nome científico é Leopardus pardalis ou Felis pardalis, originariamente encontrado na Mata Atlântica e outras matas brasileiras. Distribuída por toda a América Latina, é encontrada também no sul dos Estados Unidos. De hábitos noturnos, passa a maior parte do dia dormindo nos galhos das árvores ou escondido entre a vegetação. Vivem aos pares, o que é raro entre os felinos.


As fêmeas têm de um a quatro filhotes a cada gestação. Supõe-se que se reproduzem a cada dois anos. O período de gestação varia de 70 a 95 dias. As fêmeas chegam à idade adulta em um ano e meio, os machos aos dois anos. Em cativeiro estima-se que viva cerca de 20 anos, é possível que viva menos na natureza.

Alimenta-se de mamíferos pequenos e médios, como roedores, macacos, morcegos e outros. Come também lagartos, cobras e ovos de tartarugas. Caça aves, e alguns são bons pescadores. A jaguatirica mede entre 65 cm e um metro de comprimento, fora a cauda, que pode chegar a 45 cm. Pesa entre 8 e 16 kg. Também é chamado onça-pintada, no entanto a onça (Panthera onca) é maior, podendo atingir 2,10m.

No Brasil, ocorre na Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal e Caatinga.

Cachorros do Mato


O termo cachorro-do-mato é a designação comum a diversas espécies sul-americanas de canídeos, em geral de pequeno porte:


Cachorro Vinagre

O cachorro-vinagre ou cachorro-do-mato (Speothos venaticus) é um canídeo nativo da América do Sul, que habita as florestas e pantanais entre o Panamá e o norte da Argentina. São animais semi-aquáticos que conseguem nadar e mergulhar com grande facilidade. A União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais - IUCN lista a espécie como vulnerável, devido ao isolamento e esparsa densidade das suas populações e à destruição do seu habitat.

O cachorro-vinagre é um canídeo de pequeno porte, com cerca de 30 centímetros de altura, 60 de comprimento e 5 a 7 kg de peso. A pelagem é avermelhada e a cauda relativamente curta é castanha. A cabeça tem um formato quadrado, com orelhas pequenas, e as patas são curtas. Os dedos do cachorro-vinagre estão ligados por membranas interdigitais que facilitam a sua natação.


A principal presa destes animais são roedores de grande porte como cutias, pacas e capivaras, mas também consomem aves, anfíbios e pequenos répteis. Os cachorros-vinagre são animais gregários que vivem e caçam em bandos de até dez indivíduos. A estrutura social dos grupos é fortemente hierarquizada tal como nos lobos-cinzentos e os membros do grupo comunicam entre si através de latidos. Os seus hábitos são diurnos e de noite recolhem-se para dormir em tocas ou cavidades nas árvores.

O grupo é formado por vários casais monogâmicos e pelas crias do par dominante. Como o cão doméstico, o cachorro-vinagre tem dois períodos de cio por ano, que variam ao longo do ano conforme o sítio onde vivem. A gestação dura em média 67 dias e resulta em ninhadas de 4 a 6 crias, que nascem em tocas e são alimentadas pelos adultos até aos cinco meses. A maturidade sexual é atingida aos 12 meses e a esperança de vida média é de 10 anos.

A espécie foi descrita pela primeira vez em 1842, a partir de fósseis encontrados em cavernas no Brasil e só depois se descobriram os animais vivos. O cachorro-vinagre nunca foi caçado por interesse económico e é sabido que algumas tribos de nativos brasileiros conservam-nos como animais de estimação.

Graxaim

O graxaim ou sorro (Pseudalopex gymnocercus) é um mamífero carnívoro da família dos canídeos, encontrado nos campos úmidos do Sul do Brasil, no Paraguai, Norte da Argentina e Uruguai (sendo conhecido como zorro de las Pampas nestes três últimos países). Tais animais chegam a medir até 1 metro de comprimento, com pelagem cinza amarelada, o alto da cabeça marrom ferrugíneo, orelhas grandes e focinho afilado. Também são conhecidos pelos nomes de graxaim-do-campo, guaraxaim e sorro. Seus hábitos são crepusculares e noturnos; sua vida é solitária encontramos aos pares na época de reprodução. Quando perseguido refugia-se em ocos e buracos de tatu, e pode até se fingir de morto algumas situações.


Essa especie entrou em situação de alerta no estado do Paraná, por sua distribuição ser restrita, pela caça dele mesmo como pela caça de sua fonte alimentar, pela destruição de seu habitat, a monocultura como soja e pinus, esta causando a migração para outras áreas desses animais até mesmo a morte por falta de fonte de alimentação, o pisoteio do gado soltos nos campos nativos também um dos grandes destruidores do seu habitat.

A sua descrição em Santa Catarina é limitada, não existem muitos estudos, por ser frequente o seu avistamento em áreas habitadas, foi deixado de lado como abjeto de estudo.

Não deve ser confundido com uma raposa, animal do qual é um parente próximo.

Guaraxaim


O cachorro-do-mato ou guaraxaim (Cerdocyon thous) é um mamífero da família dos canídeos, amplamente distribuído pela América do Sul. Tais animais, noctívagos, medem cerca de 65 cm de comprimento, com pelagem cinza-clara de base amarelada, e faixa dorsal negra, que se estende da nuca à ponta da cauda. São onívoros e oportunmistas, e sua dieta consiste de frutas, ovos, artrópodes, répteis, pequenos mamíferos e carcaças de animais mortos. Também são conhecidos pelos nomes de aguaraxaim, cachorro-do-mato, graxaim, graxaim-do-mato e lobinho.

Bônus: Lobo Guará

O lobo-guará ou guará (do tupi agoa'rá, "pêlo de penugem"; nome científico: Chrysocyon brachyurus) é o maior canídeo nativo da América do Sul. A sua distribuição geográfica estende-se pelo sul do Brasil, Paraguai, Peru e Bolívia a leste dos Andes, estando extinto no Uruguai e talvez na Argentina, e é considerado uma espécie ameaçada. O Brasil abriga o maior número de animais; dos cerca de 25.000 indivíduos da espécie, cerca de 22.000 estão em território brasileiro. Os biomas de sua ocorrência no Brasil são: Cerrado, Pantanal, Campos do Sul, parte da Caatinga e Mata Atlântica.


A espécie não está diretamente ligada a nenhum outro gênero de canídeos e aparentemente é uma relíquia da fauna plistocênica da América do Sul, que desapareceu na maioria após a formação do Istmo do Panamá.

Gambá


Gambá (de guámbá, o ventre aberto, a barriga oca por causa da bolsa onde cria os filhos) é o nome popular de um animal típico das Américas. É um dos maiores marsupiais da família dos didelfídeos, pertencentes ao gênero Didelphis, que habitam do sul do Canadá à Argentina e são onívoros. Na natureza têm como principal predador o gato-do-mato (Leopardus spp.), enquanto nas cidades são freqüentemente atropelados por terem a visão ofuscada pelos faróis e por terem pouca mobilidade – exceto nas árvores. São ainda confundidos por vezes com o cangambá (Mephitis mephitis), que embora se assemelhe, não é um marsupial, mas sim um mustelídeo.

Não confundir com: Cangambá (aka Pepe Lê Gambá)


O cangambá (Mephitis mephitis) é um mamífero carnívoro caracterizado pela pelagem preta com listras brancas e por expelir um líquido fétido quando acuado. O cangambá é muitas vezes confundido com o gambá devido ao hábito de ambas espécies usarem de odores fétidos como forma de defesa e aos nomes com semelhança fonética.

Porco do Mato
Caititu


O caititu é erroneamente chamado de porco-do-mato devido à sua aparente semelhança com os javalis (Sus scrofa). Entretanto, várias características anatômicas o tornam diferente, tais como: a presença de uma glândula odorífera na região dorsal e de uma cauda vestigial de 15 a 55 mm; o osso da perna fundido ao do pé, que resulta em três dígitos na pata posterior, o fígado reduzido, a ausência de vesícula biliar e a presença de um estômago compartimentalizado em estômago glandular, bolsa gástrica e dois sacos cegos (o saco cego cranioventral e saco cego caudodorsal). A presença desse tipo de estômago permite que os caititus se alimentem de itens diversos, incluindo alimentos fibrosos, sobras de legumes, frutos e pequenos vertebrados.

Fonte: Wikipédia


8 pessoas já expressaram suas ideias aqui... Faça-o também. =D

Anônimo disse...

Bichos mt feios os ultimos...ecaa...hj msm meu irmao chegou em ks e achou um gamba aqui...;c
bicho medonho de nojento

Anônimo disse...

bom gente

Anônimo disse...

Bichos chik chik

Anônimo disse...

Anônimo que comentou primeiro. Desculpe, mas feio é esse seu gosto. Os animais são lindos, feitos por Deus. Você é um idiota de ficar reparando em tanta futilidade. Eles não estão em desfile de beleza!! São lindos do jeito deles, cada um com sua característica.

Germano Woehl Jr. disse...

A foto que está no tópico GATO-DO-MATO-PEQUENO é de minha autoria, baixada do site do Instituto Rã-bugio p/Conservação da Biodiversidade
http://www.ra-bugio.org.br/ver_especie.php?id=56
Eu solicito a gentileza de remover esta foto, porque eu detenho os direitos autorais e somente a ONG ambientalista Instituto Rã-bugio, entidade sem fins lucrativos pode utilizar. Eu não autorizo a utilização neste blog que tem fins comerciais (publicação de anúncios). O uso da minha foto neste blog é ilegal, e, portanto, está sujeito as penalidades da lei dos direitos autorais. Qualquer dúvida entre em contato comigo através do site do Instituto Rã-bugio.

Germano Woehl Jr. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Germano Woehl Junior disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Germano Woehl Junior disse...

A foto que está no tópico GATO-DO-MATO-PEQUENO é de minha autoria, baixada do site do Instituto Rã-bugio p/Conservação da Biodiversidade
http://www.ra-bugio.org.br/ver_especie.php?id=56
Eu solicito a gentileza de remover esta foto, porque eu detenho os direitos autorais e somente a ONG ambientalista Instituto Rã-bugio, entidade sem fins lucrativos pode utilizar. Eu não autorizo a utilização neste blog que tem fins comerciais (publicação de anúncios). O uso da minha foto neste blog é ilegal, e, portanto, está sujeito as penalidades da lei dos direitos autorais. Qualquer dúvida entre em contato comigo através do site do Instituto Rã-bugio. Este é meu último apelo. Por favor, remova minha foto deste blog

▼ Manifeste-se através deste formulário. ▼


"Posso não concordar com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dizê-lo." - Voltaire


Novidades Velharias
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...