Dinheiro na mão é vendaval...

Veja aqui uma lista com 10 despesas fixas (ou quase) comuns na classe média que podem facilmente ultrapassar um salário mínimo cada.

Quanta diferença faz a metragem de um apartamento?

Três quartos e uma suíte é uma das configurações mais comuns nos lançamentos imobiliários - comparamos as plantas de 61 até 132m² para esse perfil.

Animes inteligentes: como explicar isso para leigos?

Explicando o esquema de alguns dos melhores animes do momento em um artigo original. Gênios do mal com boas intenções, extermínios em geral, filosofia e muitas discussões ideológicas...

Nulificação, o lado macábro da BodyMod

Um dos primeiros artigos do blog, original: virou referência sobre o tema na internet e foi plagiado por diversos blogs... Saiba mais sobre a macábra prática de subtrair partes do próprio corpo para modificá-lo.

Li isso em uma revista feminina, dessas bem velhas que ficam nas salas de espera dos consultórios. Pesquisei um pouquinho e encontrei o depoimento no site da Revista NOVA. É interessante ler, tanto para as mulheres quanto para os homens. ^^

Virei madame deprimida

Férias na Europa, sexo ruim; roupas de grife, desconfiança de que o marido saía com garotas de programa; restaurantes carésimos, distância das amigas e da mãe... A publicitária Rose*, de 33 anos, acreditou que casar com um homem rico funcionaria como um substituto para o amor. E se arrependeu.


OBS: Sim, o depoimento lembra essa carta.

SOU ROMÂNTICA e sei que sempre vou aceitar presentes, jantares e até convites para viagens, entre outros mimos masculinos. No entanto, entendi que tudo isso é apenas uma pequena parte do que realmente importa em um relacionamento a dois. Aprendi a lição a duras penas, depois de ter casado por conveniência e experimentado uma união unicamente fundamentada no dinheiro. Naquele momento, tudo o que eu enxergava era a chance de mudar de vida do dia para a noite. Queria desesperadamente me libertar de uma rotina sem graça e estressante.

ESSA HISTÓRIA MALUCA começou há cinco anos. Eu estava formada em marketing havia três e trabalhava em uma agência de publicidade de São Paulo por um salário de fome. Morava na casa dos meus pais e, ainda assim, mal sobrava grana para comprar uma roupinha mais descolada no fim do mês ou para fazer um programa legal. Por mais que economizasse, vivia sempre naquela pobreza do "Ou isso ou aquilo", o que me deixava profundamente inconformada. Escutando dia após dia a voz autoritária do meu chefe dando ordens como uma sirene, eu sentia que desperdiçava ali o meu talento e a minha juventude: entrava às 9 da manhã e não tinha hora para sair, o que significava chegar à minha casa mais de 10 da noite quase todos os dias - exausta e desanimada, depois de pegar ônibus e metrô.

FORÇAS PARA ir à academia? Nem pensar. Curtir uma happy hour no meio da semana? Jamais. Fazer algum curso ou ir a um show maneiro? Loucura. Na verdade, descobri pouco depois que insanidade mesmo foi me entregar a um homem totalmente incompatível comigo só para virar madame e não ter mais de viver de um salário a outro. Infelizmente, ao dizer "sim" diante do altar, eu não imaginava que um casamento baseado apenas nos 100 mil reais que meu futuro marido ganhava por mês custaria tão caro a ponto de me fazer perder o gosto pela vida e cair em depressão. Eu achava que seria muito fácil dividir minha vida com alguém que tinha o que me faltava: dinheiro.

CONHECI O OTÁVIO na festa de um colega da agência. Sentada, tomando uma bebida e pensando em ir embora para acordar cedo no dia seguinte, dei aquela olhada geral no salão para ver se identificava algum gato, mas nenhum deles chamou a minha atenção. Resolvi, então, conversar com algumas colegas e pôr as fofocas em dia no andar de cima, onde ficava a pista de dança. De repente vi se aproximar de mim um rapaz meio barrigudinho e até simpático. Ele me abordou com o básico "Oi, tudo bem?", o que não me incomodou. Achei que seria alguém interessante com quem conversaria naquela festa meio monótona e nada mais.

CONVERSA FOI, conversa veio, cheguei até a me identificar com o Otávio, especialmente quando ele disse gostar de alguns lugares que eu também aprovava. Pensando bem, a lista dele era praticamente igual à minha. Além disso, tinha uma lista interminável de assuntos, embora demonstrasse certa arrogância. Ignorei esse fato me convencendo de que, afinal, ninguém é perfeito. Ele pediu mais bebidas e continuamos a bater papo, até que tentou me beijar e não deixei. Mais tarde, depois de virar uma cerveja a mais, cedi e não achei tão ruim como imaginara. No fim da noite, ele se despediu me convidando para jantar em um restaurante japonês bem bacana no dia seguinte. Como estava solteira e sem programa, aceitei.

LOGO DE CARA, sentados à mesa, ele fez comentários que decidi ignorar mais uma vez. Em nome do meu respeito às diferenças, fingi que achava normal um homem revelar a uma garota que gostava de sair com prostitutas e que suas duas últimas namoradas eram casadas. Otávio dizia isso com cara de orgulho, como se não fosse absolutamente nada de mais. Apesar dos pesares, continuamos a sair, sempre nesse clima pouco estimulante, a não ser pelos programas proporcionados por seu alto salário e status como administrador de empresas.

COMO NOS PRIMEIROS três ou quatro meses nós não nos víamos com muita freqüência, pensei que estava em um momento de entressafra e que eu logo partiria para outra, assim que encontrasse alguém mais bacana. Sei que ele também não me amava, mas gostava da minha companhia e de me exibir para os amigos porque sou bonita. Pareço uma Gisele Bündchen em versão mais modesta: alta, loira e de olhos azuis, mas não tão magra a ponto de virar top model internacional. Além disso, tenho voz e gestos meigos. Pelo menos sempre ouvia esse tipo de elogio dos meus ex-namorados.AOS 35 ANOS, Otávio afirmava durante as nossas conversas que queria ter filhos. Foi assim que comecei a vislumbrar a chance de engravidar, me tornar mãe, me afastar definitivamente do trabalho e viver uma vida de luxo. Acordaria tarde, passaria os dias na academia e compraria roupas em lojas caras. Além de rodar pela cidade de motorista, é claro! No quinto mês de namoro, ele deu o primeiro lance do meu "leilão". Avisou que sairia de férias e gostaria que eu o acompanhasse pela Europa durante um mês, tudo por sua conta. Fiquei eufórica, mas respondi que não poderia me ausentar do trabalho. Ele respondeu: "Saia do emprego e na volta nos casamos". Sem pensar direito, topei na hora.

DO PONTO DE VISTA da minha mãe, eu estava fazendo um bom casamento. Minha amiga Cláudia, experiente, avisou que a personalidade desagradável do Otávio viraria a maior encrenca. Já a Nanda achou a idéia fantástica e admitiu estar morrendo de inveja da minha futura vida de madame. "Não agüento mais sair com homem e ter de dividir a conta", desabafava ela. Enfim, sem pensar em mais nada, troquei o estado civil e comecei a querer engravidar. A primeira tentativa foi em Paris e as outras por aqui mesmo. Enquanto isso, minha rotina se resumia a fazer compras na rua Oscar Freire, repleta de lojas caríssimas, freqüentar os restaurantes da moda, festas e viajar. Por mais agradável que fosse tudo aquilo, experimentava também o gosto amargo do desamor, da insatisfação e da dependência financeira completa. Nesse meio-tempo, sofri dois abortos espontâneos.

NÃO SEI SE FOI conseqüência das tentativas frustradas de engravidar, mas o sexo entre mim e Otávio, que já deixava a desejar, começou a piorar cada vez mais. Nas primeiras em que ele falhou, eu achei até graça. Com o passar dos meses, no entanto, a situação se tornou freqüente e o clima começou a pesar. Nada que eu fizesse o ajudava a chegar lá. Assumi a culpa, mas a verdade é que meu marido falava as coisas mais grosseiras durante a transa e nas piores horas. Não havia tesão que resistisse mesmo. Acabei comprando um vibrador. No fundo, eu não tinha escolha - se não fosse o bendito aparelhinho, nada de orgasmo.

COMECEI A FICAR amargurada, especialmente porque dependia cem por cento dele para fazer qualquer coisa. Eu me sentia como uma criança que tem de pedir permissão para comprar um pirulito e dar uma voltinha na praça. Ao mesmo tempo, sabia que nada do que exibia nos armários era fruto do meu esforço. Tenho de admitir que o Otávio tentava a todo custo me convencer de que melhor marido não existiria no mundo, mas fazia isso com um tipo de conversa doentia. Por exemplo: vivia falando sobre assaltos, seqüestros e até estupro para que eu achasse a nossa casa o lugar mais incrível e seguro do mundo. "Aqui você tem conforto e está protegida", repetia ele.

O MESMO TIPO de apologia meu marido fazia consigo mesmo, vangloriando-se de sua fidelidade. Dizia que todos os seus colegas enganavam a esposa com amantes, enquanto ele, ao contrário, se dedicava somente a mim. "Onde mais você vai achar um cara como eu?", repetia a torto e a direito, em alto e bom som. Hoje, tenho minhas dúvidas de que ele foi realmente fiel enquanto estivemos casados. Será que não deu suas escapadas para sair com as garotas de programa de que tanto gostava? Sinceramente, não ponho minha mão no fogo. Além disso, sempre que aparecia uma oportunidade, dava um jeito de fazer uma lavagem cerebral para me afastar das amigas e da minha mãe. Afirmava, para quem quisesse ouvir, que elas só me visitavam porque queriam dinheiro emprestado.

DEPOIS DE ALGUM TEMPO, pensei em voltar a trabalhar. Tentei explicar ao Otávio que seria bom para a minha auto-estima, mas ele detonou completamente a idéia, dizendo que eu não tinha qualificação suficiente para conquistar um emprego que valesse a pena sair de casa. O pior é que eu concordava, pois gastava com roupas em um único dia muito mais do que ganharia em um mês. Esse tipo de conversa acabava por me tirar o ânimo. Àquela altura do campeonato, eu já estava acordando ao meio-dia, como forma de escapar da realidade. Além disso, também procurava o que fazer, pois morria de tédio, bem ao contrário do que fantasiara antes do casamento. Quem agüenta passar dias, semanas, meses só fazendo compras? Por incrível que pareça, ninguém. Pelo menos para mim, o vazio parecia enorme. Comecei a sentir saudade da correria e até do cansaço da minha rotina de "escrava" na empresa, como eu costumava dizer no passado.

COMECEI A TOMAR umas doses de uísque no fim do dia para relaxar. Depois, dei para comer exageradamente - uma maneira de preencher a vida. Sem perceber, passava da conta todo dia. Mesmo tendo tempo de sobra para freqüentar a academia, morria de preguiça. Engordei e já não conseguia me ver linda dentro daquelas roupas compradas na Oscar Freire. A saída, então, era ir para o banheiro e vomitar. Depois, veio a fase de perder a paciência até para a comida. Fui ao médico e precisei tomar antidepressivos. Meu caso era sério, pois esse psiquiatra insistiu que eu marcasse horário toda semana. Eu chegava lá e me dava um branco. Sentia sono e não conseguia dizer uma palavra sequer. A situação foi ficando cada vez pior. Havia dias em que eu não saía da cama nem atendia ao telefone. Sabe o que o Otávio fez quando percebeu que minha mãe passou a me incentivar a pedir a separação? Comprava presentes e mais presentes caríssimos e sofisticados para ela.

QUANDO EU MELHORAVA um pouquinho, meu humor parecia de velório. Roupas, jóias e sapatos da grife Prada, que eu tanto amava, já não me faziam feliz. No dia em que assinamos os papéis do divórcio - dois anos e meio depois do casamento -, eu estava um farrapo: olheiras profundas, cabeça na lua, sempre cansada, um verdadeiro zumbi.

HOJE, AOS 33 ANOS, de volta à vida de solteira e muito mais disposta, parei de tomar os comprimidos de antidepressivos. Recuperei aos poucos minha vivacidade e, por ironia do destino, retornei ao mesmo tipo de trabalho que tinha antes de virar madame. O salário continua igualmente baixo, mas agora considero meu querido emprego a coisa mais importante do mundo! Ainda não encontrei um novo amor, mas não foi por falta de opção. Apenas senti que precisava me conhecer melhor, ficar um pouco sozinha e pensar com calma no que realmente preciso conquistar para ser feliz. Quero me tornar cada vez mais independente e explorar as minhas próprias possibilidades. Também prometi a mim mesma respeitar meus sentimentos em vez de colocá-los em último plano. Chega! Acredito de corpo e alma que daqui para a frente minha vida será cada vez melhor."

Fonte:  http://nova.abril.com.br/edicoes/407/aberto/depoimento/conteudo_245040.shtml?pagina1


24 pessoas já expressaram suas ideias aqui... Faça-o também. =D

Anônimo disse...

Duvido! Mulher não gosta de homem; gosta mesmo é de dinheiro!

Anônimo disse...

Ah,vai se fuder!

Anônimo disse...

quem gosta de homem é viado, mulher gosta de dinheiro.

marco aurélio disse...

vaaaaaaaaaai troxa zivudeu otária!" hauehaue

Anônimo disse...

Colocou a razao na frente da emocao, ganancia na frente da felicidade! Se fudeu, mais eh nova pra conseguir ser Feliz!

Dinheiro ajuda, mais as vezes piora! rs

Anônimo disse...

Mentira isso cara, mulher quer é grana!

Anônimo disse...

Comédia... casou por dinheiro e reclama pq desconfia o marido saía com puta!
Precisa desconfiar não, pode ter certeza...saía com puta sim...você!

BozZ disse...

Se fudeu não soube administrar... se fosse uma mulher que botasse coleira no cara vc tinha mandado na relação!!

Anônimo disse...

Se fosse esperta fazia caixa dois e saia com muita grana... HSuhsausahusahushusashuassa
Mulher quer dinheiro!

Luciano disse...

Tudo que vem fácil, vai fácil, isso dai acontece aos montes, essa mulherada com papinho de beleza interior pra mim são todas umas incompetentes, não tem capacidade pra conseguir nada sozinhas, dai se casam com caras ricos mentindo que é porque é boa pesssoa

Anônimo disse...

Acho muito corajosa de falar issoo , Isso acontece muito hoje em dia ... nós mulhres queremos ser amadaa .. nao importa o preco que a gente pague. Adoreeiiiii!

Inside Me disse...

como é fácil atirar pedras... está no lugar onde elas irão cair é bem mais complicado e achoq ninguém quer estar. Mas sorte de quem encontra um amor pra chamr de seu, masmo q ele num tenha tanta grana assim. Eu sou feliz com o esposo q Deus me deu e nao me importo de me privar de algumas coisas em troca de outras, de dividar as contas de casa com ele, eu o amo e vejo reciprocidade no amor dele tb. Isso basta pra mim....

weslley disse...

se ferrou otaria!

patricia disse...

Ok, de seu dinheiro para mim e seja feliz !

Anônimo disse...

Ai casou por dinheiro e se fudeu!

Agora vou falar algo que vai parecer machista, mas acho que algumas mulheres vão concordar comigo.

A maioria dos homens, quando está em uma situação que nem a dela, trabalhando por menos do que acha que merece, não conseguindo crescer na vida TOMA ALGUMA ATITUDE. Ignora o happy hour para estudar algo. faz um curso, começa a ir a palestras, tenta aprender outro idioma. a não ser que o cara seja muito conformista ou extremamente bonito e burro. É isso que a sociedade cobra da gente, ou agente faz as coisas ou se fode.

Muitas mulheres fazem a mesma coisa, correm atras do que querem, mas a maioria - principalmente as bonitas - procuram um jeito fácil de fazer as coisas, querem só o luxo e esquecem de ir atrás das coisas.

E adivinha? no final fica sem nada, por cara rico vai fazer um pré-nupcial em que a mulher não sai com nada, por que sabe que casamento na maioria das vezes não dura, e se for durar um pré-nupcial não faz diferença. O cara não perde nada e a mulher tem tudo a perder.

Sabe o que penso quando vejo um relato desses? idiota e interesseira. Mereceu tudo que recebeu.

Anônimo disse...

Depoimento provavelmente inventado.

Anônimo disse...

Esse definiu bem!

Comédia... casou por dinheiro e reclama pq desconfia o marido saía com puta!
Precisa desconfiar não, pode ter certeza...saía com puta sim...você!(2)

Anônimo disse...

Sinceramente penso que vc é uma idiota , pq no dia em que vc achar o amor da sua vida...
E ele não tiver condições suficiente para viver bem eu quero so ver .. a necessidade entra pela porta o amor pula a janela... O amor iria acabar pela falta de dinheiroo necessario seu marido sempre iraa implicar com o quanto vc gasta. E as contas serao o assunto principal na sua casa e tão seja feliz com o POBRE querida

Anônimo disse...

Hauauauauaua...Pelo menos ela abortou..a mulezinha do bruno nao teve a mesma "sorte".

Anônimo disse...

divorciou, pegou a grana do cara.. agora ela ta solteira, rica e feliz

Anônimo disse...

Sabe ,estou vivendo isso tudo,eu adorei o que vc contou me vi nessa situaçao ,e realmente precisava ter uma noçao disso tudo ,esta acontecendo muitoo rapido ,e nao sei o que faço ,a vida nao é fácil,mas temos que gostar de quem gosta da gente ,se vc escolheu isso tudo, era so fazer o que queria voltar a ter seu trabalho mesmo rica,nao esquecendo de vc e nao deixando o cara comandar,ai sim estava feliz por vc o resto era presente dele ...beijos e seja muito feliz

Anônimo disse...

Ela pode ate não ter sido feliz no seu casamento com o cara rico, mas isso não significa que outra pessoa no lugar dela não seriam. Tem muita gente que mal tem dinheiro para comprar comida e moradia digna que não importaria de não ser sexualmente satisfeita/ter um companheiro confiáve, aposto.

Anônimo disse...

É simples meninas. Não esperem ser amadas casando "por dinheiro". Vocês escolheram o cara pelo dinheiro e ele obviamente, tratará você como objeto de troca. E convenhamos, nada mais justo. O cara rico geralmente não é burro. Esse tipo de relação acaba sendo tratada como uma espécie de negociação. Sendo assim vale lembrar que enquanto o dinheiro do cara aumenta, a beleza da mulher diminui. Ou seja é um péssimo negócio a longo prazo. Isso quer dizer que em breve ocorrerá a troca por uma nova mulher.

Anônimo disse...

Burra pra caralho, nem pra fazer filho a vadia serviu. Hoje estaria separada mas ganhando pensão de no minimo 15 mil pro filho, já que o ex marido broxa ganhava 100 mil por mês, por lei o pai é obrigado a dar 15% de seu salário como pensão para os filhos, em caso de separação.

▼ Manifeste-se através deste formulário. ▼


"Posso não concordar com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dizê-lo." - Voltaire


Novidades Velharias
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...